terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Indústria de Eventos no Brasil (vídeos: Carlsberg)

I Dimensionamento Econômico da Indústria de Eventos no Brasil - Convention e Visitors Bureaux & Sebrae

RESUMO
O Turismo de eventos é o que mais gera renda, impostos e empregos para as cidades que recebem essa categoria de viajante. Em parceria, o Fórum Brasileiro dos Convention & Visitors Bureaux e o Sebrae realizaram o I Dimensionamento Econômico da Indústria de Eventos no Brasil.

Realizado em 120 cidades brasileiras e verificou-se:
2,9 milhões de postos de trabalho, gera uma renda de R$ 37 bilhões que representa 3,1% do PIB nacional e R$ 4,2 bilhões em impostos em 320 mil eventos anuais no Brasil.

Número de eventos por ano segundo as regiões brasileiras:
Sudeste – 52%
Sul – 19%
Nordeste – 18%
Centro-Oeste – 9%
Norte – 2%

Estimativa de gastos dos participantes de eventos:
Residentes – R$ 58,80
Visitantes – R$ 392,05

Empregos gerados pela indústria de Eventos:
Diretos – 176.424
Terceirizados – 551.200
Indiretos – 2.182.872

Tipologia dos espaços para eventos:
Hotel/Flat – 43,7%
Teatro/auditório – 25,5%
Clube / estádio – 8,1%
Centro de Convenções – 5,4%
Buffet / Restaurante – 4,3%
Hotel de Lazer – 4,8%
Pavilhão de exposições – 2,8%
Business Center – 2,1%
Casa Noturna – 1,4%
Outros – 1,9%

Tipologia dos Eventos:
Reuniões – 21,7%
Convenções – 18,5%
Eventos Socioculturais – 18,6%
Congressos – 16,1%
Exposições/ leilões – 8,2%
Feiras Comerciais – 7,3%
Eventos Esportivos – 4,4%
Eventos Mistos – 3,3%
Outros Tipos – 1,7%

Âmbito dos eventos:
Local – 34,2%
Regional – 28,7%
Nacional – 22,5%
Latino-americano – 4,8%
Internacional – 8,2%
Mundial – 1,7%

Clientes que locam os espaços para eventos:
Empresas Privadas – 39%
Empresas Públicas - 21,2%
Entidades/ Instituições – 21%
Outros – 18,8%

Seguros praticados pelos espaços:
Não Fazem – 65,3%
Total do evento – 14,4%
Equipamentos – 3,6%
Equipe de trabalho – 2,3%
Outros – 14,3%

Meios de Comunicação:
Internet – 23,4%
Mala direta – 18%
Jornal – 17,2%
Representante de vendas – 13%
Revista – 13%
Rádio – 3,7%
TV – 3,6%
Outdoor – 2,3%
Outros – 5,8%

Mão-de-obra temporária mais contratada para eventos:
Recepcionistas
Fotógrafos
Seguranças
Pessoal de limpeza
Mestres-de-cerimônias
Garçons/maîtres
Decoradores
Manuseadores de mala direta/correspondências
Eletricistas
Operadores de Telemarketing
Animadores/recreadores

Distribuição de gasto médio per capita por dia dos visitantes que participam de eventos:
Hospedagem – 43,2%
Alimentação – 21,3%
Transporte – 30,9%
Outros – 4,6%

Composição média das receitas de um evento:
Pagamento da empresa e/ou contratante – 31,8%
Pagamento dos participantes – 27,5%
Patrocínio – 25,6%
Arrendamento/consignação – 5,4%
Outros – 9,7%

Composição média das despesas de um evento:
Espaço – 24,2%
Hospedagem/alimentos e bebidas – 15,7%
Infra-estrutura e equipamentos – 15,3%
Administrativo-operacional – 13,4%
Divulgação – 12,7%
Mão-de-obra temporária e terceirizada – 10,1%
Transporte – 5,8%
Outros – 2,8 %

Valor médio dos preços praticados pelas empresas organizadoras de eventos:
Taxa de inscrição para congressos e reuniões – R$ 359,60
Entrada/ingressos para feiras comerciais e shows – R$ 22,00
Metro quadrado para feiras e exposições – R$ 305,07

Número de participantes de eventos:
Número de eventos por ano – 327.520
Média de participantes por evento – 243,8

QUEM É QUEM NA ÁREA DE EVENTOS?
EMPRESA PROMOTORA DE EVENTOS: São empresas que idealizam, criam projetam a idéia de um evento.
EMPRESA ORGANIZADORA DE EVENTOS: Normalmente essas empresas são contratadas para planejar e organizar um evento.

Quem é Quem?
PATROCINADOR: Empresas que normalmente participam com quotas de patrocínio (valores em dinheiro) ,que possibilitam a viabilização do evento. Em troca as mesmas tem como objetivo alcançar um público-alvo através da publicidade do evento.

APOIO: São empresas que participam fornecendo materiais ou serviços para o evento, não necessariamente dinheiro.

PARCEIROS: Podem ocorrer de várias formas:
Festa do Peão de Boiadeiro em Barretos Parceria com a Bhrama ( a organização do evento faz uma parceria com uma determinada empresa cervejeira para que somente essa marca seja vendida no parque do peão durante a festa). Esse tipo de parceria beneficia a empresa parceira de duas formas: com a promoção da marca, merchandising no local e com os rendimentos do produto vendido durante o evento. Outra forma de parceria em evento é quando duas ou mais empresas resolvem promover um evento em parceria, dividindo todos os custos e promoção do mesmo.

Expositor – Empresas que tenham interesse em estar expondo seus produtos ou serviços em determinado evento.

São Paulo supera Rio em receitas de turismo, diz IBGE

Destino pouco lembrado para qualquer viagem de férias, é São Paulo que sustenta o turismo no país. O Estado é campeão absoluto entre todas as unidades da federação em receita bruta, pessoal ocupado e salários e remunerações no setor. São Paulo é responsável por quase 43,38% da receita, detém 35,12% dos trabalhadores do setor e garante 41,28% dos salários.

A primeira pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) sobre o setor revela que o turismo obedece à mesma dinâmica da economia brasileira como um todo. Ou seja, São Paulo, como motor industrial e financeiro do país, também dá as cartas nas atividades ligadas ao turismo.

'O turismo é uma atividade econômica e, portanto, obedece a todas as leis da economia', afirma Guilherme Telles, economista do IBGE responsável pela pesquisa.

O Rio de Janeiro aparece em segundo lugar. Juntos São Paulo e Rio concentram 63,53% da receita bruta de serviços, 48,43% do pessoal ocupado e pagam 58,90% da massa de salários. A pesquisa constata, porém, que uma das principais justificativas para a prevalência desses Estados é a maior participação de setores que não têm relação direta com o turismo, como o transporte de cargas e o consumo de alimentação.

Além disso, São Paulo, Rio de Janeiro, entre outros locais, têm forte presença de empresas de transporte aéreo o que se reflete na maior receita gerada.

Gastos
Os paulistas são aqueles que também gastam mais com turismo. O valor das despesas com viagens entre os moradores do Estado de São Paulo chegava a 27,78% do total de gastos com turismo, de acordo com a pesquisa.

Os mineiros estão em segundo lugar no valor dos gastos com turismo (12,51%). O Rio de Janeiro aparece em terceiro lugar (10,19%), seguido pelo Rio Grande do Sul

Fonte: www.folha.com.br. Acesso em 31/01/2007

Guilherme Paulus, presidente da CVC, confirmou ao Mercado e Eventos que tem reunião agendada com empresários de uma operadora espanhola, especialista em turismo emissivo, para a compra da mesma.

"Seria impossível a CVC competir com operadores tradicionais do mercado espanhol. Decidimos então negociar a compra de uma operadora para comercializar o destino Brasil", disse.

Outra novidade confirmada é o projeto de transformar a CVC em uma grande holding. Segundo Guilherme Paulus, a decisão de indicar Valter Patriani para a presidência da operadora já é o primeiro passo. "Teremos a CVC operadora, comandada por Patriani, assim como teremos a CVC Hotéis, CVC Cruzeiros Marítimos, entre outros". O presidente da operadora passa a dirigir o conselho, deixando a presidência da holding para seu filho Gustavo Paulus. "Estou preparando o Gustavo para assumir em breve a direção de todo o grupo, pois precisamos sempre de renovação e novas idéias".
A CVC inaugura até final de fevereiro sua representação em Paris e até final do ano na Itália.

Ao abrir hoje (23/02) o seminário sobre os Jogos Pan-Americanos, que contece na sede do BNDES, o ministro do Turismo, Walfrido dos Mares Guia, afirmou que a segurança deve ser um dos principais itens a serem discutidos para a garantia do sucesso do Pan-Americano. "Teremos oportunidade de preparar a estratégia e de oferecer maior segurança a todos que vierem ao Rio participar do Pan, bem como outras questões como a qualificação da mão-de-obra e limpeza da cidade, assuntos que preocupam, pois a imagem do Rio depende muito deste trabalho preventivo", afirma.

O ministro confirmou que o MTur já liberou R$10 milhões para cursos de capacitação e outros R$2 milhões para sinalização. Mares Guia acredita que o Pan possa ser um elemento fundamental para o incremento do turismo no país. "Queremos chegar ao final do ano superando a marca de seis milhões de turistas e US$5 bi em divisas". Os investimentos totais somam R$175 milhões, nos quais R$165 milhões serão gastos na reforma do Santos Dumont.

Participam do seminário a presidente da Embratur, Jeanine Pires, integrantes do MTur, além de autoridades de Turismo do Rio como Paulo Senise, diretor-executivo do Rio Convention; Eduardo Paes, secretário de Estado de Turismo e Esportes; Rubem Medina, secretário Especial de Turismo da Cidade do Rio de Janeiro; Luis Felipe Bonilha, presidente da Riotur; além de Milton Zuanazzi, presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Um comentário:

Anônimo disse...

Vai toma no teu cú, cuzudo

JcSHOW

Seguidores

Onde está o rei!

JC no Youtube

Loading...

No you, it´s 4shared