quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Cascais, Estoril e Sintra



Vamos nesse passeio maravilhoso pelo litoral de Cascais, Estoril e Sintra, região da Grande Lisboa, local de lindas paisagens. Mesmo sendo apenas de passagem e não explorando tudo de cada lugar, podemos ver as belezas que nos esperam...



A caminho de Cascais passamos pela bela cidade de Oeiras, com 35 mil habitantes, um dos locais de melhor qualidade de vida de Portugal...



Confortáveis trens que fazem o percurso Lisboa – Cascais, sendo uma das opções de acesso à cidade...



Chegada à bela Cascais, pequena cidade litorânea de 25 mil hab., reduto de intenso turismo nacional e internacional...



Um dos mais belos e mais ricos lugares da área metropolitana, situado a 25 km de Lisboa, Cascais se revela como um paraíso de lindas paisagens, de beleza em sua arquitetura e suas praias...



Vista do belíssimo Hotel Baía, um dos mais elegantes de Cascais, opção para quem deseja hospedar-se na cidade...



Prédio da Câmara Municipal de Cascais, com seus belos painéis de azulejos representando os Santos Sebastião, Antônio, Marçal, Mateus, Marcos, Jerônimo, Lucas e João...



Uma cidade praiana de ricas e notáveis residências, que enchem os olhos dos visitantes...



Baía de Cascais, de águas calmas e límpidas, próprias para os banhos e para passeios em pequenas embarcações...



Dá só uma olhadinha nessas areias da Baía de Cascais, que delícia brincar em suas águas...



Suas ruas e avenidas, seus barzinhos e bons restaurantes, tudo muito limpo e agradável, asseguram bons momentos aqui...



Passear e passear, só de andar por suas ruas já é um prazer sem igual, contemplando essas lindas paisagens...



Seus palacetes são lindos, um mais bonito que outro, você não sabe para qual lado olhar...



Suas avenidas floridas, tudo muito limpo e belo, muitas flores com muito verde...



Cidadela de Cascais, uma fortificação localizada em Cascais. Sua função era a defesa daquele trecho da costa no acesso à Lisboa. Serviu de residência real desde 1871...



O acesso a Estoril se faz por belas avenidas arborizadas, com trechos margeando o oceano...



Românticos palacetes envolvidos por jardins e pinhais, de frente para o mar, contagiam os visitantes...



Um palacete mais lindo que o outro, parecem cartões postais que se mostram à frente dos nossos olhos...



As águas do mar que tocam forte nos rochedos, trazendo beleza, encanto e magia. Paisagem para apreciar, para sonhar e ver quanto de bom a vida tem a nos oferecer...



Um centro turístico de renome internacional, Estoril esbanja beleza. Todos que aqui visitam, ficam impressionados. Paraíso para fotógrafos em busca de paisagens lindas...



Em cada curva, em cada direção que você olhar, um cenário bonito de se ver, seja nas construções, na vegetação ou no mar...



Autódromo internacional do Estoril onde se realizam os grandes prêmios de Fórmula I...



Chegada à cidade de Sintra, vizinha de Estoril, e logo na entrada avistamos seu belo portal em arcos e pedra...



Sintra, uma cidade portuguesa com aproximadamente 10 mil habitantes, cheia de encanto por todos os lados...



A origem de Sintra dilui-se com a da própria nação. A serra e as planícies foram habitadas em tempos remotos, como atestam relíquias e utensílios pré-históricos em exposição no Museu Municipal...



Da ocupação romana restam lápides e urnas funerárias, junto do mausoléu circular, no Museu Arqueológico de Odrinhas...



Castelo dos Mouros, construído pelos Mouros entre os séc. VIII e IX DC, o castelo está implantado em dois cumes de serra, de onde se tem visão panorâmica privilegiada de todo o vale...



Praça de Sintra, tendo ao fundo a bela Igreja de São Martinho, construída no séc. XII...



Suas residências todas em azulejos decorados enfeitam sua paisagem, trazendo brilho aos olhos dos seus visitantes...



Portal de acesso aos Jardins de Sintra, um verdadeiro pulmão verde dentro da cidade, cheio de flores e plantas exóticas...



O belíssimo Palácio do Concelho, onde funciona a Câmara Municipal de Sintra...



Palácio de Sintra, em arquitetura medieval, construído no séc. XVI, já foi palácio real, sendo hoje propriedade do estado, voltada a fins turísticos e culturais...



Suas lojas de artesanato encantam olhos dos visitantes com objetos de artistas regionais...



Ah... como é bom estar em seus cafés e deliciar-se com um gostoso cafezinho e seus pães deliciosos...



Seus doces e as já famosas “queijadas de Sintra” além dos bolos chamados “travesseiros” são irresistíveis, tem que provar essas delícias...



A maravilhosa paisagem da Serra de Sintra, prolongamento da Serra da Estrela, que nos leva ao Cabo da Roca...



Como é gostoso caminhar por suas curvas, contemplando a beleza da vegetação, com o carvalho, o sobreiro e o pinheiro-manso. Sua fauna é riquíssima, com espécies raras...



Chegada ao Cabo da Roca, um marco onde o continente europeu está mais próximo do americano. Um padrão em pedra com uma lápide, assinalam o ponto mais ocidental da europa...



Luis Vaz de Camões escreveu em “Os Lusíadas” que aqui é o lugar donde a terra se acaba e o mar começa...



Sua visita a Portugal será mais completa se no seu roteiro estiverem incluídas as belas cidades de Cascais, Estoril e Sintra, um verdadeiro pedaço do paraíso plantado em solo português.



Cascais, Estoril e Sintra esperam por você com a tradicional acolhida e hospitalidade portuguesa.

Cantábria - Espanha / El Transcantábrico

Cantábria é uma comunidade autônoma monoprovincial localizada no nordeste espanhol. É limitada a este pelo País Basco, a sul por Castela e Leão, a oeste pelo Principado de Astúrias e a norte pelo Golfo da Biscaia (também chamado de Mar Cantábrico). A sua capital é a cidade de Santander.

Cantábria pertence à Cornisa Cantábrica, o nome dado à franja de terra entre o Mar Cantábrico e a Cordilheira Cantábrica no norte da Península Ibérica. Possui um clima oceânico úmido e de temperaturas moderadas, fortemente influenciado pelos ventos do Oceano Atlântico que chocam contra as montanhas. A precipitação média é de 1.200 mm, o que permite o crescimento de frondosa vegetação é a região mais rica do mundo em lugares de interesses arqueológicos do Paleolítico Superior. Os primeiros sinais de ocupação humana datam do Paleolítico Inferior, ainda que este período não esteja tão bem representado na região. Destacam-se neste aspecto as pinturas da Cova de Altamira, datada entre 16.000 e 9.000 adC. e declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. A moderna Província de Cantábria se constituiu em 28jul1778. A Lei Orgânica do Estatuto de Autonômia da Cantábria foi aprovada em 30dez1981, dotando deste modo à Comunidade Autônoma de organismos e instituções de autogoverno. Diversos autores que estudam a origem etimológica do nome da Cantábria ainda que não tenham chegado a um consenso seguro de sua procedência, a opinião mais aceita pelos estudiosos é que ela deriva da raíz cant-, de origem celta ou ligur e que significa ‘rocha’ ou ‘pedra’, e o sufijo -abr, freqüente nas regiões celtas. De tudo isto se deduz que "cántabro" viría a significar povo que habita nas montañés, em clara referência ao território abrupto e montanhoso da Cantábria.
NÃO CONFUNDA COM A REGIÃO DA CALABRIA NA ITALIA.
Cantábria é uma região de carater montanhoso e costero e com um importante patrimônio natural.
Seu enérgico relevo faz que 40% de sua superfície se situe acima de 700 metros de altitude e um terço disto possui mais de 30% de inclinação. Nela se distinguem duas áreas morfologicamente bem diferenciadas.
A Marina: Uma franja costera de vales baixos, amplos e de formas suaves de uns 10 km de largura cuja altitude não costuma superar os 500 msnm e que limita com o mar por meio de uma linha de litoral raso. No litoral da região se destaca a Bahia de Santander.

A Montanha: É uma larga barreira de montanhas abruptas paralela ao mar que compõem parte da Cordilheira Cantábrica. Em sua maioria de rocha calcárea afetada por fenómenos kársticos e que cobrem a maior parte da Cantábria. As diversas altitudes da região, que vão em pouca distância do nível do mar aos 2.600 metros da Montanha, faz que a diversidade vegetal seja grande e exista um amplo número de biotopos. Cantábria possui uma vegetação eurosiberiana, dentro da província Atlântica. Caracteriza-se por ter bosques de espécies frondosas e caducifolias. A ação humana desde tempos remotos tem favorecido a criação de pastos. Os prados de pastos se intercalam com plantações de eucaliptos (Eucalyptus globulus) e pequenas massas de bosques. A parte meridional de Cantábria caracteriza-se por ter uma paisagem de transição desde uma vegetação seca, convivendo variedades biclimáticas clima atlântico e mediterrâneo. Sua diversidade vegetal está propiciada por localizar-se no límite do domínio biogeográfico mediterrâneo, o que faz que existam espécies próprias deste bioclima, como são as a azinheira ou o arbutus, localizados em solos calcários pouco desenvolvidos e de escassa umidade. A região possui uma população de 572.503 hab. segundo o censo de 2007 (representa 1,27% da população da Espanha). Os municípios mais importantes desta Comunidade Autônoma (dados INE - 2006) são os seguintes:
Camargo (30.024 hab) / Castro-Urdiales (28.542 hab) / Piélagos (16.578 hab) / El Astillero (16.032 hab) / Laredo (13.090 hab) / Santoña (11.534 hab) / Los Corrales de Buelna (11.091 hab)
/ Reinosa (10.370 hab) e Santa Cruz de Bezana (10.314 hab).
Os rios cantabros são rios curtos, rápidos e pouco caudalosos, salvando umas consideráveis pendentes do mar próximo a seu nascimento na Cordilheira Cantábrica. Seus recorridos costumam ser perpendiculares à costa, se exceptuarmos o rio Ebro, e possuem uma caudal mais ou menos persistente ao largo de todo o ano motivado pela precipitações. Ainda assim, este é escasso (20 m³/s anualmente) em comparação com outros rios da Península Ibérica. A rapidez de suas águas, motivado pelas consideráveis pendientes dos recorridos, fazem que tenham um grande poder erosivo, formando os vales em forma de V característicos da Cornisa Cantábrica. No geral possuem um estado de conservação aceitável, ainda que a atividade humana, cada vez mais abundante neles pelo aumento constante da população nos vales, exerce uma forte pressão. A Cantábria é a única comunidade autônoma cujos rios desembocam em cada um dos três mares que rodeam a Península Ibérica. Os principais rios que dividem a região são:
Confederação Hidrográfica do Norte(desembocam no Mar Cantábrico)
Rio Agüera / Río Asón / Rio Besaya / Rio Deva / Rio Miera / Rio Nansa / Rio Pas / Rio Saja
Confederação Hidrográfica do Ebro - desembocam no Mar Mediterrâneo
Rio Híjar / Rio Ebro
Confederação Hidrográfica do Duero - (desembocam no Oceano Atlântico)
Rio Camesa

Cruzeiro no trem - El Transcantábrico

O primeiro trem turístico espanhol de luxo cumpre 25 anos deleitando a seus passageiros. De Santiago de Compostela a Leon, ou de Leon a Santiago de Compostela, Aquele que embarcar nesta maravilha, vai encontrar à sua espera toda a magia do norte da Espanha, das terras de Castela e Leon, às águas do Cantábrico.

O prazer de uma gastronomia sem igual, a beleza da Espanha Verde, suas paisagens e monumentos aguardam o passageiro, alojado num Hotel de cinco estrelas sobre rodas, El Transcantábrico.
Link para o arquivo PPT de imagens:
http://www.4shared.com/document/BKiMj7oS/Transcantbrico_-_Passeio_de_tr.html
http://www.4shared.com/file/uWGX1HXw/Cantabria.html

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Budapeste - Hungria

Boedapest, Capital do país e maior cidade. É a sexta cidade em tamanho na União Européia. Ela se formou pela união de duas cidades distintas, uma de cada lado do rio: Buda e Peste, que em 1873, se juntaram, formando uma só com o nome de Budapeste.

Cidade mais de 2.200.000 habitantes, de língua húngara, difícil, difícil de entender, prá dizer a verdade não se entende nada do que se fala ou se escreve na rua. A escrita então, sem comentários: 3 a 4 acentos em uma mesma palavra, as vogais tem 14 pronúncias diferentes, palavras sem vogais, completamente "grego" prá nós de língua portuguesa. Mas com inglês se vai em qualquer lugar, porque lá, até pipoqueiro fala e entende inglês.

Uma cidade com 2.094 anos de existência, tem monumentos e prédios de mais de 600 anos de construção. O custo de vida é bem próximo ao nosso, com preços de tudo iguais aos nossos, do Brasil.

É cortada pelo Rio Danúbio, certamente, acho que o mais lindo trecho do rio em 850 km, é o que passa por Budapeste. Um espetáculo. O passeio noturno no rio é imperdível.

Uma cidade que se come muito bem. Prá eles, fartura na mesa é sinônimo de prosperidade, então tratam você daquele jeito. Quem está de regime, que se cuide, porque lá pegam você pelo estômago. Comidas e doces deliciosos, uma cozinha realmente incrível.

Em Budapeste existem, também, os bondinhos, porém, os carros dominam o trânsito. Já em Viena era o contrário. Mas todo serviço público funciona direitinho, pontual e luxuoso.

Uma curiosidade em Budapeste, é que as Igrejas Católicas estão todas de costas para o Atlântico, porque se entendia que as coisas ruins vinham do Atlântico, mentalidade essa do povo, antes de saber da existência da América, antes do seu descobrimento.

A temperatura em Budapeste varia de -24º em dezembro e janeiro para até 40º em julho e agosto. O mes ideal para visitá-la é maio ou junho e setembro de cada ano.

Aqui também, os carros são quase todos a diesel. Um litro de diesel custa E=1,10 ou E=1,20, portanto mais de R$ 3,00 no nosso dinheiro. Táxis são todos mercedes, novos. Tem muito carrinho elétrico, novo.

Existem 9 pontes sobre o Rio Danúbio, em sua travessia por Budapeste. Uma cidade de grandes universidades, muitos jovens também, de gente bonita.

Ficamos hospedados no Hotel Stadion, ao lado do grande estádio da cidade, moderníssimo, coberto. O serviço do hotel é simplesmente espetacular, cumprindo as tradições húngaras. Um café da manhã de deixar você doido.

Mais informações da região, nos link abaixo:
http://www.4shared.com/document/1k_QGL8r/Hungria_-_Budapeste.html
http://www.4shared.com/document/t2XcfMcB/Hungria_Een_-_trip_door_Duitsl.html

Alemanha



A Alemanha (nome oficial: República Federal da Alemanha, em alemão: Bundesrepublik Deutschland) é um país localizado na Europa central, membro fundador da União Européia, membro da NATO e do Grupo dos Oito.



O país é limitado a norte pelo Mar do Norte, pela Dinamarca e pelo Mar Báltico, a leste pela Polónia e pela República Checa, a sul pela Áustria e pela Suíça e a oeste pela França, Luxemburgo, Bélgica e os Países Baixos.


Desde a Reunificação em 1990, o estado alemão é uma república federal parlamentarista com 16 estados federais (Bundesländer) e cerca de 82 milhões de habitantes.


(Loisach River, Wetterstein Mountains, Eschenlohe)

É um dos países com a maior densidade populacional da Europa e a principal potência econômica do continente.



(Magnificent Moritzburg Castle)

Desde 1995 a Alemanha participa do Acordo de Schengen. A capital é Berlim e a língua nacional oficial é o alemão.


(Maus Castle,Bavaria)

O termo "Alemanha" deriva do francês Allemagne — terra dos alamanos — em referência a um povo bárbaro de nome homônimo, que vivia na atual região fronteiriça entre a França e a Alemanha, o qual cruzou o Rio Reno e invadiu a Gália Romana durante o século V.


(Mittenwald, Bavaria)

O país também é conhecido pelo gentílico Germânia, que deriva do latim Germania — terra dos germanos - em inglês: Germany.



(Elbe River, Dresden)

Durante a maior parte da sua história, a área atual da Alemanha foi o território de vários pequenos reinos, dos quais a maioria pertencera ao Sacro Império Romano Germânico.


(Cologne Cathedral and Hohenzollern Bridge, Cologne)

Foi apenas a partir de 1871, com a supremacia do reino da Prússia e a criação do Império Alemão, que o país veio a tornar-se, de fato, uma nação unificada.


(Neckar River, Heidelberg)

Logo após o término da Primeira Guerra Mundial, uma república foi instalada e o nome do país passou a designar-se República de Weimar.



(Market, Nuremberg)

A designação Terceiro Reich surgiu com a ditadura de Adolf Hitler e a ascenção do Nazismo em 1933.


(Cathedral, Cologne)

Logo após a rendição na Segunda Guerra Mundial, a Alemanha foi dividida em 4 setores de ocupação pelos Aliados e, em 1949, dividida em dois diferentes países: Alemanha Ocidental (Bundesrepublik Deutschland), de cunho capitalista, e Alemanha Oriental (Deutsche Demokratische Republik), esta socialista.


(Elbe River, Dresden)

A reunificacão aconteceu em 3 de outubro de 1990.





(Hohenschwangau Castle, Bavaria)

A língua alemã e o sentimento de pertença à nação alemã existem há mais de mil anos, mas o país conhecido agora como Alemanha só foi unificado em 1871 em Versalhes, quando o Império Alemão, dirigido pela Prússia, foi constituído.


(Hohenschwangau Castle, Bavaria)

O Sacro Império Romano Germânico, que existiu desde o século VIII d.C. até 1806, é considerado o primeiro Reich alemão (Reich = Império, em alemão, termo usado para descrever os sucessivos períodos históricos do povo alemão).


(Heidelberg)

No momento de maior extensão territorial, o Império incluía o que são hoje a Alemanha, a Áustria, a Eslovênia, a República Tcheca, o oeste da Polônia, os Países Baixos, o leste da França, a Suíça e partes da Itália central e setentrional.


(Hamburg)

A partir de meados do século XV, passou a ser conhecido como o "Sacro Império Romano da Nação Germânica".





(Frankfurt)

O Império Alemão de 1871-1918 é chamado de o Segundo Reich, de modo a indicar a sua descendência do império medieval.



Segundo o mesmo raciocínio, Adolf Hitler referia-se à Alemanha Nazista (1933-1945) como o Terceiro Reich.


(Burg Katz Above the Rhine)

Para os propósitos deste artigo, o termo "germanos" será usado para referir-se ao grupo ou grupos étnicos oriundos da Idade do Bronze Nórdica, que falavam línguas germânicas e ocupavam a chamada Germânia.


(Karwendel Range, Mittenwald, Bavaria)

A partir do período histórico do Sacro Império, será empregado o termo "alemães" para designar os habitantes do Império.

A Baviera (em alemão Bayern e em latim Bavaria), na sua designação oficial Estado Livre da Baviera (Freistaat Bayern), é um dos dezesseis estados federais (Länder) da Alemanha. Localizado no extremo sudeste do país, tem uma área de 70 553 km² e 11,6 milhões de habitantes; a sua capital é Munique (München).

Algumas antigas cidades do Sacro Império Romano, como Nördlingen, Rothenburg ob der Tauber, Dinkelsbühl, Nuremberga e Augsburgo. Esta última perdeu a sua autonomia e passou a fazer parte do estado da Baviera.

Celtas e Romanos habitaram a Baviera, muito antes desta receber esse nome. Baiovarii foi o nome de um povo germânico que chegou nessa região pelo distantes séculos V e VI, mas perderam o domínio da região, ao esta ser conquistada pelos francos. A dinastia dos Wittelsbach governou a Baviera ininterruptamente, desde 1180 até 1918. Straubing, Ingolstadt e Munique formam durante toda a Idade Média a Baviera Superior, enquanto o resto do Estado era denominado Baviera Inferior (Landshut). No ínício do século XVI, as várias províncios que ocupavam o atual território bávaro, unificaram-se, formando um país.


(Amsterdam)

A Baviera sempre foi e ainda é um estado católico, o mais significativo representante do catoliscismo dentro do Sacro Império Romano Germânico. Este país combateu a União Prostentante ao longo da Guerra dos Trinta Anos durante o reinado de Maximiliano I. Em 1623, Maximiliano I recebeu o título de príncipe eleitor do Sacro Império, o que lhe dava o direito de votar na escolha do imperador: tudo isso graças à leadade à Igreja Católica.


(Dresden)
Em 1806, o duque da Baviera foi feito rei, um desenvolvimento que surge no contexto da influência de Napoleão na política Europeia. Maximilian von Montgelas é um dos estadistas com um papel marcante neste tempo. Em 1815, após a desagregação do Império Napoleónico, o Palatinado do Reno tornou-se parte do Reino da Baviera. Luís II da Baviera (1845 - 1886), que reinou de 1864 até ao seu suicídio em 1886, é provavelmente o mais conhecido monarca bávaro, responsável pela construção de verdadeiros castelos de contos de fadas, designadamente o célebre Neuschwanstein.

Quando o Sacro Império Romano caiu, a Baviera tornou-se um reino independente até 1918.

Berlim (em alemão Berlin) é a capital e um dos dezesseis estados da Alemanha, tendo estatuto de cidade-estado. Com uma população de 3.392.026 habitantes, é a cidade mais populosa do país, e a segunda mais populosa da União Européia, só perdendo para Londres. Além de cidade-estado (Stadtstaat), Berlim é também uma cidade independente (Kreisfreie Stadt) ou distrito urbano (Stadtkreis), ou seja, possui estatuto de distrito (Kreis). Berlim é um dos mais influentes centros de política, cultura e ciência européia.


(Dusseldorf)

A cidade serve como um importante centro do transporte continental e é "casa" para algumas das mais importantes universidades, eventos esportivos, orquestras e museus. O rápido desenvolvimento da metrópole atraiu uma reputação internacional aos seus festivais, arquitectura contemporânea e vida nocturna, sendo um grande centro turístico e moradia para pessoas de 180 nações diferentes.

Pela primeira vez documentada no século XIII, Berlim foi sucessivamente a capital do Reino da Prússia (1701), do Império Alemão (1871-1918), da República de Weimar (1919-1932) e do Terceiro Reich (1933-1945). Depois da Segunda Guerra Mundial, a cidade foi dividida. Berlim Oriental se tornou a capital da Alemanha Oriental, enquanto Berlim Ocidental continuou sendo parte da Alemanha Ocidental. [6] Com a reunificação alemã em 1990, a cidade passou a ser capital de toda a Alemanha.


(Wurtzburg Bavaria)

Alguns séculos a.C., a zona onde hoje se situa Berlim começou a ser habitada por diversas tribos que se estabeleceram nas margens dos rios Spree e Havel. No século VI, diversas tribos eslavas construíram fortificações nas actuais zonas suburbanas de Spandau e Köpenick. Por volta do século XI, Albrecht, guerreiro saxão da Casa dos Ascânios, derrota as tribos eslavas e torna-se o primeiro Markgraf (conde) de Brandemburgo. Por essa altura, estabeleceram-se, nas margens do rio Spree, imigrantes de outras regiões, nomeadamente do vale do Reno e da Francónia.


(Schiltach Schwarzwald)

Século XIII-XVII
O primeiro documento histórico berlinense remonta a 1237, aludindo às povoações de Cölln e Berlim, situadas em cada uma das margens do rio Spree, envolvendo o local onde hoje se situa Nikolaiviertel. As duas localidades aliaram-se em 1307, tendo constituído um município comum.


(Sanssouci Palace, Potsdam)

Porta de BrandemburgoCom a morte, em 1319, do último governante ascânio, Brandemburgo foi disputada pelas casas de Luxemburgo e Wittelsbach, o que originou lutas sangrentas. Em 1414, os habitantes de Berlim, cansados de tanto sofrimento, solicitaram o auxílio do imperador do Sacro Império Romano-Germânico que lhes enviou, como protector, Frederico de Hohenzollern, dando origem a 500 anos de domínio da Casa de Hohenzollern.

Em 1432, Cölln e Berlim consolidam a aliança de 1307, tendo-se unificado formalmente. Em 1486 tornou-se na sede do eleitorado de Brandemburgo.

Com a subida, em 1640, de Frederico Guilherme de Hohenzollern ao trono de Brandemburgo, a cidade de Berlim desenvolveu-se enormemente, tanto em extensão como em quantidade de habitantes, atingindo, no final do século XVII, o número de 20000. Na segunda metade desse século, Berlim foi fortificada, abriu-se um canal ligando os rios Spree e Oder e foram plantadas tílias na Unter den Linden - hoje uma das mais importantes artérias da cidade, em cujo extremo poente se situa o mais conhecido monumento de Berlim: a Porta de Brandemburgo.

Frederico III coroa ele mesmo como rei e faz Berlim a capital do reino da Prússia.No início do século XVIII, Frederico III de Hohenzollern, sucessor de Frederico Guilherme, transforma Bradenburgo num Reino, tendo sido coroado como Frederico I da Prússia. Berlim passa, então, à categoria de capital prussiana, vendo nascer as Academias de Belas Artes e da Ciência. Imponentes edifícios surgem por todos os lados, sendo de destacar a Zeughaus e o palácio de Verão (Charlottenburg).


(Wolfsegg Castle, Bavaria)

No tempo de Frederico Guilherme I, filho de Frederico I da Prússia, a população de Berlim alcançava os 90.000 habitantes. O rei seguinte, Frederico II, transformou Berlim numa cidade cultural. Quando da sua morte, nos finais do século XVIII, a população de Berlim atingia os 150.000 habitantes.

No início do século seguinte, Napoleão Bonaparte vence os prussianos, ocupa Berlim e leva para Paris a Quadriga que encima a Porta de Brandemburgo, orgulho da cidade. Com a derrota de Napoleão, a quadriga volta a ser colocada no mesmo local, com grande júbilo da população. Inicia-se, nesta época, a industrialização de Berlim: surge uma fábrica de locomotivas em 1837 e, no ano seguinte, é inaugurada a linha ferroviária entre a capital e Potsdam. Berlim enche-se de edifícios grandiosos concebidos, na maior parte, por Karl Friedrich Schinkel. Em 1850 Berlim já tinha 300.000 habitantes.

Guilherme I é proclamado imperador; Berlim se torna a capital do Império Alemão.Em 1861, Otto von Bismarck, ao ser nomeado chanceler, enceta, a partir de 1864, uma política visando a posicionar a Prússia à cabeça de todos os estados de língua alemã em detrimento da Áustria. Para o efeito, a Prússia declarou, sucessivamente, guerra à Dinamarca, à Áustria e à França, assumindo o controle de Schleswig-Holstein, da Confederação da Alemanha do Norte (associação que englobava 22 estados e cidades livres) e das províncias da Alsácia e da Lorena. Em 18 de Janeiro de 1871, Bismark proclama o Império Alemão, tendo por capital Berlim, e Guilherme da Prússia como imperador (Kaiser). A abolição das barreiras comerciais e as indenizações pagas pela França permitiram um enorme desenvolvimento industrial, com o consequente aumento populacional da cidade de Berlim e uma melhoria significativa das infraestruturas urbanas: novo sistema de esgotos (1876), iluminação eléctrica (1879) e instalação de telefones e da primeira linha férrea urbana (1881).

A Primeira Guerra Mundial não teve um reflexo muito grande sobre a estrutura da cidade.

Em 30 de Janeiro de 1933, Adolf Hitler foi nomeado chanceler, tendo iniciado, com a invasão da Polónia, a 1 de Setembro de 1939, a Segunda Guerra Mundial que se estenderia até 1945, altura em que a Alemanha perde a contenda e Berlim é invadida pelas tropas soviéticas. A partir de 1940, Berlim sofreu inúmeros bombardeamentos, especialmente no último ano da guerra, tendo a maioria dos edifícios ficado em ruínas.


(Hamburg)
Após o fim da guerra, as tropas americanas, britânicas, francesas e soviéticas, reunidas em Potsdam, dividem a cidade em quatro sectores. Berlim viu-se no centro da Guerra Fria e foi a protagonista de uma de suas maiores crises, conhecida como o Bloqueio de Berlim (24 de junho de 1948 - 11 de maio de 1949), desencadeada quando a União Soviética interrompeu o acesso ferroviário e rodoviário às zonas de ocupação americana, britânica e francesa. A crise arrefeceu ao ficar claro que a URSS não agiria para impedir a ponte aérea de alimentos e outros gêneros organizada e operada pelas três potências ocidentais (EUA, Reino Unido e França).

Alemães dançando em cima do muro de Berlim, Novembro de 1989.Em 1949 nasce, nos territórios controlados pelos soviéticos, a República Democrática Alemã, tendo por capital a zona oriental de Berlim. Os restantes sectores de Berlim ficam, assim, a constituir um enclave dentro do território da RDA. Para evitar a fuga dos berlinenses para os sectores ocidentais, o governo comunista construiu, em 1961, o muro de Berlim muro com cerca de 150 km de extensão, envolvendo os restantes sectores. Quem tentasse ultrapassá-lo era imediatamente morto.


( St. Coloman Church, near Fussen, Bavaria)

A partir de 1989, as mudanças políticas que ocorrem na Europa Oriental levaram à queda do muro de Berlim e à abertura das fronteiras entre a RDA e o restante do território da Alemanha (RFA).

Em 1990, a Alemanha reunifica-se e Berlim volta a ser a capital, depois de Bonn ter sido capital provisória da parte ocidental da Alemanha desde os finais da Segunda Guerra Mundial. De então para cá, a cidade tem vindo a sofrer uma completa transformação urbanística, com a reconstrução e reabilitação de edifícios históricos e a edificação de novos bairros voltados para o século XXI, aproveitando, especialmente, as zonas anteriormente ocupadas pelo Muro. Berlim ressurge, actualmente, em toda a sua imponência, podendo ser considerada uma das mais belas cidades europeias.


(Semper Opera, Dresden)

A Cidade Livre e Hanseática de Hamburgo (em alemão: Freie und Hansestadt Hamburg) é uma cidade-estado (Stadtstaat) localizado no norte da Alemanha, nas margens do Rio Elba. Em 31 de dezembro de 2004, possuia 1.734.830 habitantes e 755,33 km² , que a faz a segunda maior no país e a oitava maior da União Européia. A "Região Metropolitana de Hamburgo" tinha em 1997 4.014.800 habitantes. O porto é um dos maiores do mundo e, segundo estimativas, ultrapassará Rotterdam como o principal da Europa. A cidade é também um centro industrial de grande importância. Situa-se entre os estados (Bundesländer) de Schleswig-Holstein e Baixa Saxônia.


(Schwangau, Bavaria)

Além de cidade-estado (Stadtstaaten), cidade com estatuto de estado, Hamburgo é também uma cidade independente (Kreisfreie Stadt) ou distrito urbano (Stadtkreis), ou seja, possui estatuto de distrito (Kreis).

A origem da cidade remonta ao século IX, quando foi construído o castelo de Hammaburg. Tornou-se sede de bispado em 834. Em 1241 aliou-se com Lübeck, formando a base da Liga Hanseática. O crescimento do comércio da cidade levou à criação da primeira bolsa de valores alemã em 1559.

Os bombardeamentos aliados entre 1943 e 1944 destruíram a cidade, matando cerca de 55 mil pessoas.

Na noite de 16 de Fevereiro para 17 de Fevereiro de 1962, uma violenta tempestade fez com que o caudal do rio Elba aumentasse bastante, provocando a destruição de diques protectores e consequentemente a inundação de um quinto da cidade e originando mais de 300 mortos.

A contribuição dos hamburgueses na formação do Brasil

Christian Mathias Schroeder foi um senador hamburguês que muito investiu financeiramente (visando lucros) por volta dos meados do século XIX no desenvolvimento da colônia Dona Francisca que hoje é conhecida como a cidade de Joinville, localizada no estado de Santa Catarina, no sul do Brasil.


(Hamm)

O município de Schroeder, uma cidade vizinha de Joinville, obteve seu nome a partir do nome do acionista hanseático acima citado. Portanto, Christian Mathias Schroeder faz parte da própria história de Santa Catarina e do Brasil.

Vale notar que muitos alemães de oriundos da cidade de Hamburgo e, inclusive de outras regiões vizinhas do norte da Alemanha, imigraram para o Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, etc.). Algumas das características singulares deste povo que contribuíram ao Brasil foram a sua religiosidade (principalmente o luteranismo), o seu idioma pomerano, também chamado de Plattdüütsch (ou de Plattdeutsch no alemão oficial) e a sua incansável industrialidade, seja no meio agrícola ou citadino.

A cidade de Novo Hamburgo inicialmente se chamou Hamburger Berg (Morro dos Hamburgueses), a qual mais tarde viria a se denominar Hamburgo Velho. Quando os engenheiros britânicos construíram a primeira estrada de ferro do estado do Rio Grande do Sul em 1876, a qual partia da capital estadual, Porto Alegre, passando a uns três quilômetros de Hamburger Berg, um novo núcleo populacional hamburguês se formou no local, Neu Hamburg (em alemão), ou seja, Novo Hamburgo.

Munique (em alemão: München - pronunciado [ˈmʏnçən] ouça) é uma cidade alemã, capital do estado federal da Baviera, onde anualmente festeja-se a mundialmente famosa Oktoberfest. Na qualidade de capital, Munique alberga o parlamento e governo estadual.

Munique conta actualmente cerca de 1,23 milhões de habitantes, chegando aos 2,35 se contarmos com a sua área metropolitana. É assim a maior cidade da Baviera, e a terceira maior da Alemanha, depois de Berlim e de Hamburgo. Uma das atividades de destaque na cidade e na região é o turismo. Munique também é a sede da BMW e do respectivo museu.

Munique é uma cidade independente (kreisfreie Stadt) ou distrito urbano (Stadtkreis), ou seja, possui estatuto de distrito (Kreis). Adicionalmente, Munique é também sede do governo do distrito administrativo da "Alta Baviera" (Oberbayern em alemão) bem como do distrito territorial (Landkreis) de Munique.


(Schnatterloch, Miltenberg, Bavaria)

Cidades grandes próximas são Praga (República Checa), a cerca de 298 km a nordeste, Viena (Áustria) a cerca de 355 km a leste e Berlim, cerca de quinhentos quilômetros ao norte. Foi fundada em 1158. O número de habitantes da cidade de Munique ultrapassou por volta de 1854 o número dos cem mil, tendo nessa altura obtido o estatuto de grande urbe (Grosstadt). A cidade foi destruída pela metade durante a Segunda Guerra Mundial, porém reconstruída. Desde 1960 que a cidade tem mais de um milhão de habitantes. Munique é atravessada pelo rio Isar.


(Frankfurt)

Colônia (no Brasil) ou Colónia (em Portugal) (em alemão: Köln, ouça) é, em termos de população, a quarta maior cidade da Alemanha e a maior cidade do estado de Renânia do Norte-Vestfália. É um dos mais importantes portos fluviais alemães e considerada a capital econômica, cultural e histórica da Renânia. Com 973.878 habitantes (2004) é a 16ª maior cidade da União Européia.

Colônia é uma cidade independente (Kreisfreie Städte) ou distrito urbano (Stadtkreis), ou seja, possui estatuto de distrito (kreis).

Sua localização na intersecção do rio Reno (Rhein em alemão) com uma das maiores rotas comerciais entre a Europa Ocidental e Oriental foi a fundação da importância comercial de Colônia. A feira comercial KölnMesse é das maiores e mais importantes da Alemanha. Na Idade Média também se tornou um centro eclesiástico maior e um importante centro de artes e aprendizado. Colônia foi severamente atingida ao longo da II Guerra Mundial.

Colônia tem uma universidade com sete faculdades e aproximadamente 45.000 estudantes (2005), uma das maiores na Alemanha e renomada por sua faculdade de economia. Foi fundada em 1388, fechado durante a ocupação da cidade pelos franceses em 1798, e só reaberto em 1919. Além da universidade, existem mais oito institutos de ensino superior na cidade, privados e públicos, entre eles a Fachhochschule Köln, o maior instituto politécnico da Alemanha. No total, Colónia tem acerca de 70.000 estudantes.

Colônia tem um arcebispo católico. A Catedral de Colônia (em alemão Kölner Dom), uma igreja gótica, é o marco principal da cidade e seu símbolo não-oficial. A cidade é 43% Católica, 18%Protestante e 39% outras religiões. Até a II Guerra Mundial e a consequente leva de refugiados da Alemanha Oriental, o Catolicismo era a religião da vasta maioria em Colônia.


(Dresden)

Colônia tem 31 museus, entre eles a destacar o Museum Ludwig (Arte moderna e contemporánea), o Wallraf-Richartz-Museum (Arte do medieval até o século XIX) e o Römisch-Germanisches Museum (Artesanato da época romana), com varias construções subterrâneas da época do império romano.

Vinte por cento da população de Colônia não é alemã. Desses, quarenta por cento são turcos.

Colônia é bem conhecida por sua cerveja, chamada de "Kölsch". Kölsch também é o dialeto de Colônia. É dito de forma jocosa que Kölsch é a única língua que se pode beber.

Em Agosto de 2005, Colônia era hospedeiro da XX Jornada Mundial da Juventude (em alemão Weltjungendtag), uma das maiores reuniões da juventude católica.

Em 2006, Colônia foi uma das sedes da Copa do Mundo que aconteceu na Alemanha.

Colônia tem uma das maiores Paradas do Orgulho da Europa, tendo nas últimas edições (2004 a 2005) reunindo entre 600 mil a 1 milhão de participantes.


(Waltershof)

A "Água de Colónia 4711" - tem uma história curiosa: Quando Napoleão invadiu a cidade, ordenou uma renumeração de todas as casas da cidade para maior controle, e coube aos donos da fábrica da Água de Colônia o 4711. Napoleão se foi, o número ficou.

Frankfurt am Main ou Francoforte do Meno (Frankfurt am Main em alemão) é uma cidade independente da Alemanha, no estado de Hessen. Localiza-se às margens do rio Meno (Main em alemão).

Frankfurt am Main é a quinta maior cidade da Alemanha e a maior cidade no estado de Hessen.

Estugarda (em alemão Stuttgart) é a capital e a maior cidade do estado de Baden-Württemberg (Bade-Vurtemberga), na Alemanha. Situa-se às margens do rio Neckar e tem 589.599 habitantes (em 31 de outubro de 2004).


( Reichstag Interior, Berlin)

Estugarda é uma cidade independente (Kreisfreie Städte) ou distrito urbano (Stadtkreis), ou seja, possui estatuto de distrito (kreis). Em Estugarda estão as sedes de importantes empresas automobilísticas, como: Mercedes-Benz e Porsche, bem como outra importante empresa do ramo, a Bosch.


(Brandenburg Gate, Berlin)

Em 1805, a Land acede ao reino de Württemberg , pelo imperador Napoleão Bonaparte. Em meados do século XX a cidade industrializa-se rapidamente graças ás empresas Gottlieb Daimler, Karl Benz, Porsche e Bosch.

Daimler desenvolveu em Estugarda a primeira mota em 1885, e o primeiro automóvel de quatro rodas em 1886.


(Rothenburg ob der Tauber, Bavaria)

Em 1951, as regiões de Baden e Württemberg são transformadas em Bundesland Baden-Württemberg.


(Pleasant Day, Munich)

Certos habitantes sobretudo os de Baden, não estão de acordo com este acto administrativo, porque existe uma rivalidade tradicional entre as duas populações.

A cidade foi fortemente danificada durante a Segunda Guerra Mundial.


(Pegnitz River, Nuremberg)

A fábrica de automóveis Porsche AG está instalada nesta cidade, e por isso a imprensa automobilística às vezes se refere à Porsche como "a casa de Estugarda". Outra grande montadora instalada em Estugarda é a Mercedes-Benz. A cidade tem grande arecadação de imposto referentes a ambas montadoras.

Link para imagens da cidade de Wuppertal, um passeio pelo monotrilho:
http://www.4shared.com/document/TAl0rtcU/Wuppertal_-_monotrilho.html

JcSHOW

Seguidores

Onde está o rei!

JC no Youtube

Loading...

No you, it´s 4shared