sexta-feira, 11 de maio de 2012

Praia de Nazaré e a lenda em Portugal / Parador - Categoria de Hotel Histórico

O americano Garrett McNamara teve reconhecido um novo recorde mundial para a maior onda já surfada. Ele conseguiu ficar em pé na prancha numa onda de 78 pés (23,77 metros) que encarou em nov2011 numa praia de Nazaré, em Portugal. Especialistas chegaram a um veredicto após a análise do vídeo e da foto que comprovaram que McNamara, de 44 anos, de fato atingiu o recorde. O americano quebrou marca de Mike Parson, que em 2008 surfou uma onda de 23,47 metros. Ele tentava a proeza ao lado do britânico Andrew Cotton e do irlandês Al Mennie. As ondas gigantes surgem nas regiões próximas da praia portuguesa em função do fenômeno chamado pelos locais de "Canhão de Nazaré". "Há um canyon submarino de uns mil pés (304m) de profundidade que se estende desde o mar até aos penhascos. É incrível", disse McNamrara em uma entrevista ao Guardian no ano passado. Espantado pelo seu feito, McNamara teve navegar não só a onda gigante, mas também as ondas que o levaram com força em direção à costa. Por estar próxima a penhascos, a onda poderia tê-lo levado para um choque acidental que poderia ser muito perigoso para sua condição física. "O filme só caiu quando consegui pisar no chão. Eu estava assombrado. Quer dizer, eu senti que era um tamanho decente, mas você só pode ter a real noção quando a onda aparece 10, 20, 30 metros mais alta" disse McNamara ao Guardian. A Nazaré é uma vila portuguesa, sede do concelho homônimo, da sub-região do Oeste, pertencente ao distrito de Leiria, região Centro, com cerca de 10 300 habitantes. O atual espaço urbano da vila aglutina três antigos povoados, Pederneira, Sítio da Nazaré e Praia da Nazaré e novos bairros da segunda metade do século XX, como a Urbisol ou o Rio Novo, surgidos em consequência da expansão natural dos três núcleos primitivos. (P.D.M., 1997). A vila é sede de um pequeno município com 80,49 km² de área e 15.158 habitantes (2011), subdividido em 3 freguesias, Nazaré, Valado dos Frades e Famalicão. O município é rodeado a norte, leste e sul pelo concelho de Alcobaça e a oeste confina com Oceano Atlântico. O município, e a freguesia designaram-se Pederneira até 1912, ano em que, por lei, o topônimo foi alterado para Nazaré. O antigo concelho da Pederneira teve foral, em 1514, dado por D. Manuel I, e esteve integrado nos coutos de Alcobaça. A Pederneira, atualmente um dos bairros da vila da Nazaré, mantém ainda o edifício dos antigos Paços do Concelho, o pelourinho, a igreja Matriz de nossa Senhora das Areias e a igreja da Misericórdia, como testemunhos da sua antiga condição de vila sede de concelho. O topônimo Nazaré está intrinsecamente ligado à Lenda da Nazaré. Conta a Lenda da Nazaré que ao nascer do dia 14set1182, D. Fuas Roupinho, alcaide do castelo de Porto de Mós, caçava junto ao litoral, perto das suas terras, quando avistou um veado que de imediato começou a perseguir. De súbito, surgiu um denso nevoeiro que se levantava do mar. O veado dirigiu-se para o cimo de uma falésia. D. Fuas, no meio do nevoeiro, isolou-se dos seus companheiros. Quando se deu conta de estar no topo da falésia, à beira do precipício, em perigo de morte, reconheceu o local. Estava mesmo ao lado de uma gruta onde se venerava uma imagem de Nossa Senhora com o Menino. Rogou então, em voz alta: Senhora, Valei-me!. Imediata e milagrosamente o cavalo estacou, fincando as patas no penedo rochoso suspenso sobre o vazio, o Bico do Milagre, salvando-se assim o cavaleiro e a sua montada da morte certa que adviria de uma queda de mais de cem metros. D. Fuas apeou-se e desceu à gruta para rezar e agradecer o milagre. De seguida mandou os seus companheiros chamar pedreiros para construirem uma capela sobre a gruta, em memória do milagre, a Capela da Memória, para aí ser exposta à veneração dos fiéis a milagrosa imagem. Antes de entaiparem a gruta os pedreiros desfizeram o altar ali existente e entre as pedras, inesperadamente, encontraram um cofre em marfim contendo algumas relíquias e um pergaminho, no qual se identificavam as relíquias como sendo de S. Brás e de S. Bartolomeu e se relatava a história da pequena imagem esculpida em madeira, policromada, representando a Virgem Maria, sentada a amamentar o Menino Jesus. Segundo o pergaminho, a imagem terá sido venerada desde os primeiros tempos do Cristianismo em Nazaré, na Galileia, terra natal de Maria. No século quinto, o monge grego Ciríaco transportou-a até ao mosteiro de Cauliniana, perto de Mérida. Ali permaneceu, até 711, ano da batalha de Guadalete, após a qual desbaratadas pelos muçulmanos, as forças cristãs fugiram desordenadamente para norte. Quando a notícia da derrota chegou a Mérida, os monges de Cauliniana prepararam-se para abandonar o mosteiro. Entretanto D. Rodrigo, o rei cristão derrotado, conseguira escapar do campo de batalha e disfarçado de mendigo refugiara-se incógnito em Cauliniana. Porém ao confessar-se a um dos monges, frei Romano, teve de dizer quem era. O monge propôs-lhe fugirem juntos para o litoral atlântico levando consigo a muito antiga imagem de Nossa Senhora da Nazaré, que se venerava no mosteiro com fama de muito milagrosa. A 22nov711 chegaram ao seu destino e instalaram-se no cume do monte Seano, hoje Monte de São Bartolomeu, numa igreja que lá encontraram. A existência de um mosteiro nas imediações, do qual subsiste a igreja de São Gião, deve ter sido um fator determinante para a escolha deste destino final da fuga. Passado pouco tempo decidiram separar-se para viverem como eremitas. O rei ficou, o monge levou consigo a imagem e instalou-se, a 3 km do monte, numa pequena gruta no topo de uma falésia sobre o mar. O rei Rodrigo passado um ano decidiu abandonar a região. Frei Romano continuou a viver no eremitério subterrâneo até à sua morte. A sagrada imagem de Nossa Senhora da Nazaré continuou sobre o altar onde o monge a colocou até 1182 quando foi mudada para a capela que D. Fuas mandou construir sobre a gruta, após o milagre. A imagem permanece pois, desde 711-712, no mesmo sítio, o Sítio da Nazaré. Em 1377, o rei D. Fernando (1367-1383), devido à significativa afluência de peregrinos, mandou construir, perto da capela, uma igreja para a qual foi transferida a imagem de Nossa Senhora da Nazaré, decorrendo esta denominação, do seu lugar de origem, a aldeia de Nazaré na Galileia. A popularidade desta devoção, à época dos Descobrimentos portugueses, era tamanha entre as gentes do mar, que tanto Vasco da Gama, antes e depois da sua primeira viagem à Índia, quanto Pedro Álvares Cabral, vieram em peregrinação à Senhora de Nazaré. Entre os muitos peregrinos da família Real destacamos, a rainha D. Leonor de Áustria, terceira mulher do rei D. Manuel I, irmã do imperador Carlos V, que permaneceu no Sítio da Nazaré alguns dias, em 1519, num alojamento de madeira construído especialmente para esta ocasião. Também São Francisco Xavier, padre jesuíta, o Apóstolo do Oriente, veio em peregrinação à Nazaré antes de partir para Goa. Foram aliás os Jesuítas portugueses os grandes propagadores deste culto em todos os continentes. A partir do século XVII ocorreu a grande divulgação do culto de Nossa Senhora da Nazaré em Portugal e no Império Português. Ainda hoje se veneram algumas réplicas da verdadeira imagem e existem várias igrejas e capelas dedicadas a esta invocação espalhadas pelo Mundo. É de destacar a imagem de Nossa Senhora da Nazaré que se venera em Belém do Pará, no Brasil, cuja festa anual recebeu o nome de Círio de Nazaré e é uma das maiores romarias do mundo atingindo os dois milhões de peregrinos em um só dia. No século XVI, o Santuário de Nossa Senhora da Nazaré fundado por D. Fernando, começou a ser reconstruído e aumentado, tendo as obras sido prolongadas por várias empreitadas até o fim do século XIX. O edifício atual é o resultado destas obras sucessivas que lhe conferiram um carácter peculiar com grande qualidade. A sagrada imagem, de madeira policromada, com pouco mais de um palmo de altura, representa Maria de Nazaré sentada num banco a amamentar o menino Jesus sentado na sua perna esquerda. Está exposta na capela-mór num nicho iluminado integrado no retábulo barroco, ao qual os devotos podem aceder subindo uma escada que parte da sacristia. Segundo a tradição oral inscrita numa lápide colocada na capela da memória, em 1623, a imagem terá sido esculpida por São José carpinteiro, em Nazaré, na Galileia, quando Jesus era bebê. Algumas décadas depois São Lucas evangelista terá pintado os rostos e as mãos. Conservou-se em Nazaré até ser trazida para Belém pelo monge grego Ciríaco que a entregou a São Jerônimo de Strídon, que a ofereceu a Santo Agostinho, que por sua vez a ofereceu ao mosteiro de Cauliniana, de onde foi trazida para o seu Sítio atual. Assim sendo poderá ser a mais antiga imagem venerada por cristãos. Até hoje, a tradição aponta aos visitantes a marca deixada pela ferradura de uma das mãos do cavalo de D. Fuas, no extremo do Bico do Milagre, ao lado da Capela da Memória, no Sítio da Nazaré. Paradores de Turismo de España é uma cadeia de hotéis espanhóis luxo. A instituição fundada pelo rei Alfonso XIII da Espanha, como um meio de promover o turismo, com a primeira abertura de Gredos, Ávila, em 1928. www.parador.es Rentável estado de gerência da empresa, os hotéis estão frequentemente instalados e localizados em castelos, palácios, fortalezas, conventos, mosteiros e outros edifícios históricos no trecho de Galicia no Noroeste Catalunha através de Andaluzia, no sul de Espanha, as ilhas Canárias e para as cidades espanholas no norte de África. Os preços variam de acordo com sala normalmente, região e estação do ano. Equivalente, a Pousadas de Portugal, foi fundada em 1942, depois de os espanhóis obterem modelo. Parador é também o nome fictício do país em referência no filme no Brasil Luar sobre Parador. Sonia Braga e Richard Dreyfuss em "Moon Over Parador", Filme dirigido por Paul Mazursky in 1988. No Brasil não existe hospedagem na classificação e categoria Parador.

Nenhum comentário:

JcSHOW

Seguidores

Onde está o rei!

JC no Youtube

Loading...

No you, it´s 4shared