terça-feira, 25 de março de 2008

Espaço Turístico I


PLANO DE ENSINO DO SEGUNDO SEMESTRE LETIVO DE 2007

CURSO: TURISMO
HABILITAÇÃO:

DISCIPLINA: Espaço Turístico I
CARGA HORÁRIA: 36Hs/a
SEMESTRE: 3° semestre
PROFESSOR* : Sandra Emi Sato

1.EMENTA:
A cidade e o urbano (caracterização dos municípios turísticos).
O espaço e a paisagem (Propriedades visuais da paisagem).

2.OBJETIVOS:
Mostrar aos alunos a importância da percepção e análise da paisagem natural e antrópica; dar os instrumentos necessários para interpretação da paisagem e análise dos atrativos turísticos, considerando o entorno, os aspectos geográficos, urbanos, históricos, culturais e sociais.

3. COMPETÊNCIAS e HABILIDADES:
Competências: Estudar os conceitos fundamentais do espaço e da paisagem e poder analisá-los no espaço turístico.
Habilidades: Analisar os espaço e reconhecer a importância do espaço e da paisagem nas atividades turísticas

4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
A disciplina pretende estudar a paisagem e o espaço, o turismo e o urbano, observando os agentes à conservação e produção deste espaço e sua relação com o turismo.
Conceitos de espaço. Espaço Turístico: agentes. Objetividade e subjetividade. Espaço urbano: origem, evolução, tipologia e sua relação como o turismo e os elementos do espaço do patrimônio e da preservação, do espaço natural e do espaço rural.
O espaço artificial dos parques temáticos; Paisagem: conceitos e definição; Parque urbano e o espaço público; Paisagem urbana e urbanismo

5. METODOLOGIA DE ENSINO:
A metodologia de ensino consiste em aulas expositivas (retroprojetor e data-show), durante as quais são apresentados e discutidos os conceitos. Estudos de casos, seminários, palestras e trabalhos de campo, visando dinamizar as aulas teóricas e consolidar os conceitos, além de permitir avaliar o grau da aprendizagem do aluno em relação ao conteúdo ministrado.

6. PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO:
A avaliação (B1) é constituída de prova (individual) e análise de um artigo (individual).
A avaliação (B2) é constituída de prova (individual) e trabalhos (grupo).

7. ATIVIDADES EXTRACLASSE:
Visita técnica a um espaço turístico (a definir) no município de Guarulhos.

8. CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES:

Aula
Data
Conteúdo/Atividades
Estratégia de Aula/Recursos
01 10/08 Apresentação e discussão do plano de aula Aula expositiva e discussão
02 17/08 Origem da cidade e do urbanismo Aula teórica / discussão
03 24/08 Estatuto da Cidade e Plano Diretor Aula teórica / discussão
04 31/08 Plano Diretor de Guarulhos e Lei de Uso e Ocupação do Solo Aula expositiva e discussão

07/09 Feriado

05 14/09 A importância da paisagem na atividade turística (Jaisa H. Gontijo Bolson) – T1 Aula expositiva e discussão
06 21/09 Percepção, componentes, propriedades visuais e características visuais da paisagem; Entrega do trabalho (T1) Aula expositiva e discussão
07 28/09 Apresentação e análise de diferentes tipos de paisagem Aula expositiva e prática
08 05/10 Exercícios de fixação - Avaliação contínua (B1)

12/10 Feriado

09 19/10 Percurso pelo campus da UnG/Centro (T2) Aula expositiva
10 26/10 Percurso pelo campus da UnG/Centro (T2) Aula prática
11 02/11 Feriado – Elaboração do trabalho - Percurso pelo campus da UnG/Centro (T2)
Aula prática
12 09/11 Apresentação e entrega do trabalho(T2) Percurso pelo campus da UnG/Centro
Aula expositiva e discussão
13 16/11 Apresentação e/ ou palestra de um exemplo real da análise e percepção da paisagem no turismo. Aula expositiva e discussão
14 23/11 Análise e percepção da paisagem de um Espaço Turístico de Guarulhos (T3) Apresentação Aula expositiva e discussão
15 30/11 Análise e percepção da paisagem de um Espaço Turístico de Guarulhos (T3)
Atendimento Aula expositiva e discussão
16 07/12 Exercícios de fixação - Avaliação bimestral (B2); Entrega do trabalho (T3)
17 14/12 Exercícios de fixação – Prova substitutiva
18 21/12 Revisão final - Exame

9. BIBLIOGRAFIA:

BÁSICA* (até 2 títulos):
1- BOULLON, R.C. Planejamento do espaço turístico. São Paulo: Edusc, 2002.
2- YAZIGI, Eduardo. Turismo e Paisagem. São Paulo. Ed. Contexto, 2002.

COMPLEMENTAR** (até 05 títulos):

1- YAZIGI, Eduardo.Turismo, espaço, paisagem e cultura. São Paulo. Hucitec, 2002.
2- SERRANO, Celia; BRUNHS, Heloisa; LUCIARI, Maria Tereza. Olhares contemporâneos sobre o turismo. Coleção Turismo. Ed. Papirus, 2001.
3- BOULLON, R.C. Los municípios turísticos. México. Trillas , 1997.
4- BARRETO, Margarida. Turismo e legado cultural. São Paulo. Ed. Papirus, 2003.

SUPLEMENTAR *** :
MACEDO, Silvio Soares. Parques urbanos no Brasil. São Paulo. Edusp/ Quapa, 2002

PERIÓDICOS:
Quatro Rodas
Horizonte Geográfico
Descubra o mundo
Revista National Geographic
Revista Próxima Viagem

10. Cite os sites científicos e de informação mais importantes para a pesquisa na disciplina:
http://www.revistaturismo.com.br
www.sobresites.com/turismo/cidades.htm
http://www.vitruvius.com.br/arquiteturismo
www.vitruvius.com.br
http://www.revistahost.com.br
www.jornaldapaisagem.com.br
http://www.polis.org.br

11. Cite, no mínimo, 3 (três) áreas da disciplina em que a pesquisa é mais desenvolvida.
1 – Espaço e a paisagem urbana
2 – Espaço turístico e o atrativo
3 – Planejamento do espaço turístico

12. Relacione, no mínimo, 3 (três) temáticas referentes à disciplina, passíveis de pesquisa em nível de Iniciação Científica.
1- Paisagem urbana e natural
2- Espaços turísticos – natural / artificial/ urbano
3- A cidade e o urbanismo

13. De que forma pretende contemplar, na avaliação de sua disciplina, a pesquisa a ser feita pelos alunos?
A avaliação segue as normas da instituição. Através de trabalhos individuais e de grupos, discussões e relatórios das leituras dos textos de referência os alunos obterão suas notas de avaliação. A presença em classe e, principalmente, a participação dos alunos nas discussões também vão ter conceitos na media final.

ASSINATURA DO PROFESSOR:

ASSINATURA DO(A) DIRETOR(A) DE CURSO:

2º BIMESTRE
 
MÉTODOS DE PESQUISA EM TURISMO
 
O planejamento turístico pode ser feito em 04 níveis:
F municipal    F regional    F estadual    F nacional
 
No turismo temos três assuntos para pesquisa:
J  Oferta Turística;
€  Demanda Turística;
]  Opinião Pública (comunidade receptora).
 
J  Oferta Turística:
Oferta diferencial (atrativos)
Oferta técnica (complementar, de apoio)
§         Hospedagem
§         Alimentação
§         Entretenimento
§         Outros serviços
Infra-estrutura básica
 
A pesquisa da Embratur é a mais utilizada para o levantamento da oferta.
 
 
€ Demanda Turística: Perfil do visitante / Motivos da viagem / Opiniões sobre o local
 
] Opinião Pública (Comunidade receptora ou Público interno)
Moradores / Iniciativa privada local / Poder público
Pesquisa das expectativas e do nível da capacitação do público interno
 
A pesquisa é feita através de formulários específicos = padronizada.
 
MÉTODO EMBRATUR (INVENTÁRIO)
þ Método: VARREDURA
þ Utilização formulários específicos = oferta
þ Utilização questionários – demanda e opinião pública
 
Diagnóstico: análise do inventário
 
Prognóstico: projeção da situação atual para o futuro (tendências)
 
Para o PLANEJAMENTO, avalia-se o Diagnóstico e o  Prognóstico e depois surgem as Propostas.
 
As PROPOSTAS tem por metas:
§         Aproveitar as oportunidades
§         Eliminar as ameaças
§         Atingir os objetivos
No planejamento, utiliza-se também os MÉTODOS: ZOPP E DELFOS.
 
MÉTODO DELFOS:
 
· OBJETIVO: gerar informações sobre o futuro, sobre as conseqüências de determinados fatos ou eventos, de modo a permitir uma visão que sirva de parâmetro para avaliar o presente;
 
· Método de pesquisa feito a distância;
 
· A base dessa técnica é a constituição de um painel de especialistas na área estudada, os quais devem responder a sucessivas rodadas de perguntas em busca do consenso.
Os participantes são escolhidos pela consultoria de planejamento.
 
· Instrumento de coleta de dados = questionário. Envio de questionário aos participantes escolhidos. As respostas são avaliadas e verifica-se se houve consenso (se todos estão de acordo).

Quando as respostas apresentam desvios realiza-se uma segunda rodada de questionários, com diferença de que, na segunda rodada, os participantes são informados dos resultados obtidos na 1ª rodada. Os avaliadores repensam e se ainda não houver consenso, as rodadas devem ser repetidas quantas vezes for necessário.
 
MÉTODO ZOPP:
 
· Forma de planejamento participativo (reunião de grupos representativos das comunidades receptoras)
 
· Não existe hierarquia e é todo feito por escrito, de forma anônima e registrada em um painel
 
· ETAPAS:
Ü reunir muitas pessoas
Ü divisão em grupos
Ü chegar a um consenso sobre os problemas da localidade
Ü avaliação
Ü proposta de objetivos comuns
 
Bibliografia da aula:
 
DENCKER, Ada de Freitas Maneti. Métodos e técnicas de pesquisa em turismo. São Paulo: Futura, 1998.

INVENTÁRIO DA OFERTA TURÍSTICA
 
Segundo a Embratur:
 
“O Inventário da Oferta Turística é o processo pelo qual se registra o conjunto de atrativos turísticos, equipamentos e serviços turísticos e da infra-estrutura de apoio turístico, visando à correta ordenação e exploração do território, de forma a otimizar a utilização de seus recursos naturais e culturais.”
 
Objetivo: Levantar mediante pesquisa, a oferta turística de um determinado município, região ou área, com a finalidade de efetuar diagnóstico e elaborar prognóstico.

Inventário da Oferta Turística:
 
1.Caracterização Geral
 
1.Infra-estrutura básica
 
1.Atrativos / Recursos Turísticos (atrativo em potencial – poderá ser atrativo, mas ainda não é)        
ê Naturais / Culturais
ê OFERTA DIFERENCIAL – Está ligada a vocação turística do local (atrair o turista)
 
1.Serviços turísticos e Serviços Urbanos de Apoio ao Turismo
ê OFERTA TÉCNICA / COMPLEMENTAR / APOIO – É responsável pela permanência do turista no local
 
1.Comunidade
 
1.Demanda Turística
O inventário da Oferta Turística PROPOSTO PELA eMBRATUR VISA À CONSTRUÇÃO DE UM BANCO DE DADOS QUE PERMITA O CONhECIMENTO E A AVALIAÇÃO DOS ELEMENTOS DA OFERTA TURÍSTICA.
 
FASES PARA A ELABORAÇÃO DO inventário da
Oferta Turística
 
 # PRIMEIRA FASE: 
 
PESQUISA DE GABINETE (Pesquisa Bibliográfica e Documental)
 
 A)  Consulta as fontes secundárias:
· Todos os tipos de estudos / trabalhos / projetos / planos realizados sobre o local;
· Os mais diversos institutos e órgãos públicos e privados tanto gerais como específicos do turismo.
 
B) Consulta a publicações turísticas que fazem referência ao local:
· Guias turísticos, de viagem/rodoviários;
· Folhetos;
· Manuais de viagens;
· Revistas/jornais/suplementos.
 
 # SEGUNDA  FASE:   
 
TRABALHO DE CAMPO
 
Procedimento: varredura (divisão da região em áreas – quarteirões a serem contornados pelo pesquisador), devendo:
 
** registrar nos formulários todas as informações existentes sobre a região,
já levantadas pela Pesquisa de Gabinete;
 
** reconhecer, no local, os atrativos, documentando fotograficamente e complementando as informações registradas nos formulários;
 
** levantar todos os serviços turísticos que ainda não estejam registrados.
 
Contato com a realidade local;
 
·  Aplicação dos formulários da oferta e dos questionários (Opinião pública e Demanda)
 
Registro da informação - FORMULÁRIOS:
 
A informação deve ser registrada em um conjunto de formulários.
 
Os formulários destinam-se a:
F Recursos naturais
F Recursos culturais
F Equipamentos turísticos
F Infra-estrutura de apoio ao turismo
 
Correção/conferência dos dados obtidos nas fases A e B;
Inclusão de aspectos omitidos ou novos (entrevistas com pessoas informadas e conhecedoras do local e da atividade).
 
D) seleção de material e informações recolhidas de acordo com sua importância (validade para o plano).
 
E) seleção e avaliação de alternativas de desenvolvimento para a atração:
· Identificação e avaliação de alternativas;
· Opção pelas mais adequadas (viáveis) aos objetivos propostos e aos recursos financeiros disponíveis.
 
OFERTA TURÍSTICA
Soma de todos os produtos e serviços consumidos pelo turista durante a sua estada em uma destinação.
Ø É heterogênea
 
Atrações F responsáveis pela escolha do turista
 
Equipamentos e serviços F responsáveis pelo tempo de permanência do turista(de acordo com a sua qualidade e preço)
 
AVALIAÇÃO DA OFERTA TURÍSTICA
Atrativos F base sobre a qual se fundamenta qualquer plano de desenvolvimento turístico
 
F A Avaliação determina seu potencial turístico
H Tomada de decisões estratégicas
 
Segundo BENI, 2001:
AVALIAÇÃO DO ATRATIVO: “processo que permite definir a importância atual e futura de um atrativo em relação a outros de características homogêneas.”
 
Fatores de avaliação:
Ø  Acesso: como? qualidade?
Ø  Equipamentos e serviços turísticos: valorizam?
   Facilitam a permanência? Quantidade? Qualidade?
Ø  Valor intrínseco do atrativo:
H valor próprio do atrativo
 
HIERARQUIZAÇÃO: ordenar os atrativos de acordo com sua importância turística
 
CRITÉRIOS DE HIERARQUIZAÇÃO:
Hierarquia IV
Hierarquia III
Hierarquia II
Hierarquia I
Excepcional valor e grande significado para o mercado turístico internacional
Muito importante em nível nacional
Com algum interesse
Atrativo complementar a outro de maior interesse
Capaz de motivar importantes fluxo de visitantes:
* Atuais ou potenciais;
* Nac. ou internac.
* Por si só
Capaz de motivar um fluxo de visitantes:
* Atuais ou potenciais;
* Nac. ou internac.
* Por si só ou em conjunto com outros atrativos
Capaz de estimular fluxos turísticos:
* Atuais ou potenciais; * regionais e locais
* interessar visitantes nac. e internac. com outras motivações turísticas
Capaz de estimular fluxos turísticos locais

Nenhum comentário:

JcSHOW

Seguidores

Onde está o rei!

JC no Youtube

Loading...

No you, it´s 4shared